Por meio de um decreto, o Governo do presidente Jair Bolsonaro retirou todos os integrantes da comunidade civil que participam do Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente). As mudanças poderão diminuir a capacidade da instituição em tomar providências e emitir posicionamentos a respeito. As modificações foram anunciadas na última quinta-feira (5), pelo Diário Oficial da União.

Fundado no ano de 1991, o Conanda tem como principal objetivo supervisionar ações e averiguar regras e orientações para garantir a acolhimento dos direitos básicos das crianças e dos adolescentes no Brasil. De acordo com informações do jornal Folha de S.Paulo, esse comitê seria um dos poucos que sobreviveram ao decreto presidencial que aboliu as instituições voltadas à participação social.

Ainda de acordo com as informações, o órgão já vinha sendo impossibilitado sob a administração do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, pasta chefiada pela ministra Damares Alves.

O impasse que se estende desde o início do ano acabou se agravando nos últimos meses. Ainda em maio, o ministério de Damares suspendeu a remuneração de diárias e passagens aéreas para que agentes do Conanda participassem de congregações.

Demissão da secretária do Conanda

Ainda em agosto foi publicado no Diário Oficial da União a demissão da secretária executiva do Conanda, sem que o decreto fosse submetido à instituição.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Além disso, a conferência nacional dos direitos da criança, com previsão para ser realizada em outubro precisou ser cancelada. A nova deliberação também trouxe novas modificações que a princípio reduzem o poder do comitê descrito no Estatuto da Criança e do Adolescente.

Novas medidas

Entre as novas determinações, a deliberação exonera todos os representantes atuais do Conanda e impõe novas normas para seleção de participantes da comunidade civil.

Em governos anteriores, esse processo era realizado por eleições em reuniões extraordinárias. Agora o processo deverá ser realizado por meio de recrutamento e seleção.

A nova medida também determina a diminuição dos representantes do comitê, sendo assim, o número de representantes passará de 28 para 18 e destes nove representantes tem ligação com ministérios do governo que serão acompanhados por mais nove da sociedade civil.

Antes esta divisão era realizada na proporção de 14 para 14. O número de reuniões também diminuiu, ao invés de reuniões mensais, a nova medida determina que os encontros sejam realizados a cada 90 dias.

De acordo com Antônio Lacerda Souto, que ocupava o cargo de vice-presidente do Conanda, as novas medidas apresentadas pelo governo Bolsonaro pretende retirar da instituição o poder da comunidade e desestabilizar essas instituições para que nenhuma funcione direito.

Lacerda explica que com os novos decretos, o Conanda sofrerá impactos ainda esse ano.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo