O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), voltou a fazer críticas a respeito do atual presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido). Na manhã deste domingo (19), o chefe do Executivo federal voltou a se reunir com alguns apoiadores do Governo em Brasília. Bolsonaro informou às pessoas que ali estavam que o coronavírus não pode ser combatido nas ruas.

Por isso ele informou que é necessário a retomada das atividades profissionais e a reabertura dos comércios. ''Não queremos negociar nada. Nós queremos é ação pelo país. O que tinha de velho ficou para trás.

Nós temos um novo país pela frente. Todos, sem exceção de ninguém, têm que ser patriotas e fazer a sua parte para que nós possamos colocar o Brasil no lugar de destaque'', argumentou o presidente sob muitos aplausos de quem acompanhava. Depois das palavras proferidas, muitos apoiadores pediam que o Congresso Nacional fosse fechado.

Referente a este ato, o governador de São Paulo informou o seguinte: "Lamentável que o presidente da república apoie um ato antidemocrático, que afronta a democracia e exalta o AI-5. Repudio também os ataques ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal''.

João Doria está bastante participativo com os problemas do país.

Pelas redes sociais, ele argumenta as atitudes que o atual chefe do Executivo federal toma em razão do novo coronavírus. Até o fechamento dessa matéria, a publicação conta com mais de 17 mil curtidas e pouco mais de 7 mil comentários. Muitos internautas foram favoráveis às palavras escritas por João Doria.

Bolsonaro e parlamentares

Além do João Doria, o atual presidente da República está sendo criticado por alguns outros parlamentares referente a sua posição em razão do novo coronavírus. O ex-presidente Luiz Lula Inácio da Silva (PT), está usando suas redes sociais para criticar a postura de Bolsonaro. Para Lula, o chefe do Executivo deveria priorizar a quarentena e fazer novas medidas para o isolamento social e não retomar parte das atividades profissionais.

Para o petista, se parte dos trabalhos fosse retomada no país, o número de mortes iria aumentar ainda mais.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, também fez duras críticas a Bolsonaro. Durante uma entrevista concedida a uma rádio argentina neste sábado (18), o chavista informou que Bolsonaro está tomando medidas erradas. Ele ainda intitulou o chefe do executivo como ''coronalouco''. O parlamentar venezuelano entende que o vírus está incontrolável em todo o mundo, mas ele diz que o presidente brasileiro deveria ampliar o isolamento social e desistir de retomar parte das atividades profissionais durante esse período de pandemia.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!