Contaminado com o novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro fez passeio de moto e parou para conversar, sem o uso de máscara de proteção, com garis que trabalhavam na limpeza da área externa do Palácio da Alvorada.

O passeio aconteceu na tarde desta quinta-feira (23), mesmo após o anúncio oficial desta semana, confirmando o diagnóstico pela terceira vez.

O passeio

O passeio de Bolsonaro foi registrado por Adriano Machado, repórter-fotográfico da agência Reuters. A distância entre o presidente da República e os garis não pôde ser medida através das imagens. Os registros mostram Bolsonaro andando de motocicleta com capacete, que é retirado no momento da pausa para a conversa.

Declarações

A Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República) foi procurada pela equipe do G1, porém decidiu não se manifestar sobre o passeio.

No fim da tarde, Bolsonaro realizou a sua live de quinta-feira como de costume e também não realizou declarações sobre o ocorrido, usando seu tempo para falar sobre a pandemia do novo coronavírus.

Durante a live, Jair Bolsonaro disse que não tem como evitar a propagação da pandemia, a não ser que as pessoas permaneçam em um canto isoladas. O presidente também afirmou que todas as pessoas que vivem na sociedade vão ser contaminadas mais cedo ou mais tarde, e desta forma não tem como evitar que as mortes aconteçam.

Em relação à pandemia no Brasil, Bolsonaro garantiu que nenhuma pessoa do país morreu por falta de atendimento médico, alegando que o governo repassou todos os recursos necessários para governadores e prefeitos (estados e municípios).

Mesmo sem falar abertamente sobre o passeio, Jair Bolsonaro declarou ainda na live que a partir do 14° dia do diagnóstico nenhuma pessoa contaminada é capaz de transmitir o coronavírus. A informação, porém é exclusiva do presidente, pois mais uma vez Bolsonaro não apresentou nenhuma evidência científica que comprove o seu argumento.

Secretaria-Geral

Após ser questionada, a Secretaria-Geral da República se manifestou sobre a exposição dos funcionários, argumentando que caso tenha ocorrido um contato próximo entre o presidente e os trabalhadores, ou com qualquer outra pessoa contaminada, é de responsabilidade das empresas contratantes decidirem que posição tomar.

Ainda na declaração, a secretaria reforçou que todas as empresas responsáveis por serviços terceirizados receberam as informações da Secretaria Especial de Administração e também as diretrizes do Ministério da Saúde sobre as devidas precauções que devem ser tomadas para evitar o risco de contágio de coronavírus.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!