O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, fez algumas revelações sobre o ministro da Secretaria do Governo, Luiz Eduardo Ramos, antes de ser demitido nesta quarta-feira (9) pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

No grupo do WhatsApp formado por ministros, Marcelo Álvaro disse que o general Ramos é uma pessoa falsa e que havia pedido sua demissão. O ex-ministro começa sua mensagem pedindo desculpas para os colegas e por estar fazendo tal desabafo no grupo que sempre foi usado para discutir planos e projetos que possam contribuir de forma significativa para o crescimento do Brasil.

Em seguida ele questiona ao general Ramos sobre o que andava fazendo anos antes de Bolsonaro se tornar presidente e formar sua base de governo juntamente com os ministros. Então Marcelo diz que ao contrário do ministro Ramos, ele estava fazendo campanha para eleger o atual presidente junto a outros membros que fazem parte do governo Bolsonaro.

Marcelo conta que quase não dormia levando pessoas e fazendo campanha em todas as regiões do estado de Minas Gerais, tentando convencer as pessoas de que Bolsonaro deveria ser eleito para presidente e assim mudar o rumo do Brasil.

O ex-ministro então diz que os membros considerados conservadores, que estavam fazendo campanha para eleger Bolsonaro, são os mesmos que Ramos vem atacando.

Ele diz também que foi indicado pelo ministro da Cidadania Onix Lorenzoni para ocupar o cargo de ministro do Turismo, e que fez de tudo para honrar o compromisso que assumiu e também honrar o nome de Bolsonaro.

Marcelo então se engrandeceu dizendo que seu esforço valeu a pena, pois em 2019 a área do turismo no Brasil teve um crescimento superior ao do PIB nacional.

Ele continuou dizendo que com a ajuda da Assessoria Internacional do Presidente e do Itamaraty conseguiu isentar o visto de turistas que vêm de quatro países para visitar o Brasil e que tal ação ajudou as Cataratas do Iguaçu a receber cerca de 2 milhões de turistas em 2019.

O ex-ministro citou também a transformação da Embratur, uma agência de turismo, que, segundo ele, terá bons resultado em médio prazo.

Ele falou também sobre a vinda de uma renomada empresa que trabalha com inovações na área turística, o que conseguiu após algumas reuniões que realizou em Madri, Espanha.

Ele citou também a empresa aérea Air Europa, que vai operar voos no Brasil, e falou sobre a implantação de uma unidade do escritório da Organização Mundial do Turismo no Rio de Janeiro, o qual, segundo o ex-ministro, vai dar mais visibilidade para o Brasil em todo o mundo.

Marcelo Álvaro diz que Ramos é tudo que ele não quer ser

Em outro trecho das mensagens enviadas pelo ex-ministro, ele começa dizendo de forma direta que o general Ramos comemora alguns resultados de ações que faz no governo, mas que não fala sobre as maneiras que conseguiu fazer tais ações.

Marcelo Álvaro diz que, mesmo assim, Ramos não tem uma base firme no governo e que precisou pedir sua demissão para resolver eleições no parlamento e que tal atitude chegou a ser uma ironia, pois Ramos pediu sua demissão para suprir a própria deficiência.

Marcelo Álvaro disse que mesmo assim sempre o ajudou, pois os membros que compõem o governo fazem parte de um grupo de pessoas que estão tentando ajudar ao Brasil. Ele questionou o general se ele não aprendeu durante sua formação no Exército que um companheiro não pode abandonar o outro em meio à guerra e finalizou dizendo que Ramos era tudo que ele não queria ser e que queria morrer seguindo os ensinamentos que seus pais lhe deram. "Ministro Ramos, o Sr é exemplo de tudo que não quero me tornar na vida, quero chegar ao fim da minha jornada EXATAMENTE como meus pais me ensinaram, LEAL aos meus companheiros e não um traíra como o senhor", disse.

Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!