Durante uma entrevista para o portal UOL, o senador Jorge Kajuru (Podemos-GO) demonstrou que não estar incomodado com as ameaças feitas pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que prometeu levá-lo ao Conselhor de Ética do Senado.

As ameaças feitas por Flávio ocorreram após Kajuru gravar e divulgar uma conversa que teve com o presidente Jair Bolsonaro. O diálogo foi a respeito da CPI da Pandemia, cuja instalação foi requerida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).

Kajuru desafia Flávio

Kajuru considerou as ameaças de Flávio como uma ironia: "Sobre Flávio Bolsonaro falar em honra, logo ele que não tem".

Ele disse também que nunca foi acusado pelo crime de corrupção durante sua carreira política e que a Justiça nunca foi até sua residência para investigá-lo.

Em outro trecho, o senador ressaltou que os apresentadores do “Jornal Nacional” jamais irão apresentar uma matéria a seu respeito como uma pessoa corrupta.

Kajuru afirmou que se for convocado para se explicar no Conselho de Ética, Flávio também irá, mas, para responder sobre corrupção, e ele por ter feito uma gravação, ato que julgou não ser crime e garantiu que está tranquilo.

O senador falou também que Bolsonaro reconheceu que não houve crime na atitude dele e que a afirmação foi dita duas vezes pelo presidente.

O filho do presidente entrou na última segunda-feira (12) com uma representação contra Kajuru no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado Federal.

Ao falar sobre a representação, Flávio Bolsonaro disse que abriu um processo por causa da atitude de Kajuru, o qual ele disse ter agido de forma imoral com o presidente. Flávio ressaltou que o colega de Senado, além de fazer uma gravação clandestina, ainda divulgou as conversas sem o consentimento do presidente.

Kajuru disse que não gosta de Flávio

Durante a entrevista, Kajuru afirmou que não gosta de Flávio Bolsonaro e, por isso, o senador ficou bravo com a situação. Kajuru reforçou sua declaração, dizendo que eles são colegas de trabalho, mas nunca construíram uma boa relação, que piorou após ele fazer algumas críticas contra Flávio por causa das investigações no caso das supostas “rachadinhas” que aconteciam na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alesp).

Em outro trecho da entrevista, o senador ressaltou que não tem amizade com Flávio e que, se o colega quer defender o presidente das gravações, terão que ir juntos ao Conselho de Ética para serem julgados, e admitiu que isso se tratava de uma vingança.

Para finalizar, Kajuru disse que se seu mandato for cassado e ele tiver que deixar o cargo, deixaria o Senado feliz.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!