De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a gravidez na adolescência ocorre entre os 10 e 20 anos e revela que os jovens ainda não se conscientizaram do quanto uma gestação precoce pode mudar radicalmente suas vidas e a vida de seus familiares.

Fase de mudanças

A adolescência é uma fase da vida repleta de descobertas e emoções intensas, caracterizada por ambiguidade de papéis, mudanças no que diz respeito a opiniões e valores e uma imensa dificuldade de se encontrar e buscar a independência na vida.

Gravidez precoce

A gravidez precoce é uma questão muito delicada, sob o ponto de vista emocional, financeiro e social, pois os riscos e as consequências na vida dessa adolescente são muito impactantes.

Apesar de tantas campanhas e orientações disponibilizadas pela mídia, pela internet, pelos trabalhos desenvolvidos em escolas e pelo livre acesso a informações sobre métodos contraceptivos, a gravidez na adolescência ainda acontece em um nível muito elevado no Brasil e isso ocorre porque os jovens não sabem se prevenir de maneira adequada ou, na maioria dos casos, abandonam o uso desses métodos por questões pessoais.

Uma grande parcela de jovens, em pesquisas, relatam que, para não desagradar o parceiro ou por terem um relacionamento estável, acabam não utilizando a camisinha e nenhum método anticoncepcional e, ainda assim, acreditam que uma gestação jamais aconteceria com elas.

A gravidez na adolescência muda a vida dessas jovens.

A evasão escolar é um fator, pois, por conta da espera do bebê, acabam abandonando os estudos e a consequência desse ato se reflete no futuro, devido a maior dificuldade de conseguir um emprego, causando assim a dependência econômica dos familiares e um impacto negativo na sociedade.

É importante destacar também que adolescentes de baixa renda e baixa escolaridade, que sofrem abusos ou violência familiar e que possuem pouca perspectiva de futuro, fazem parte de um grupo que estão diretamente associados no que diz respeito à gestação precoce.

Dados governamentais e vários estudos comprovam essa relação.

Evitar a gravidez na adolescência

A informação adequada, o conhecimento do próprio corpo e do parceiro é essencial para começar a vida sexual. O hábito da conversa em família e a orientação sobre a vida sexual dos filhos é muito importante e pode ser melhor aproveitada pelos adolescentes no momento certo.

Meninos e meninas precisam se conscientizar de que ter um filho não é uma brincadeira. Precisam se respeitar e, acima de tudo, respeitar o tempo e saber que existe um momento certo para cada acontecimento na vida e que tornar-se mãe e pai tão jovens, com certeza, não é a melhor opção.

Siga a página Mulher
Seguir
Siga a página Maternidade
Seguir
Siga a página Opinião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!