Enquanto o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), é especialista em dar declarações que alternam entre grosseria, crueldade e fake news, o atual ministro da Saúde do Governo Bolsonaro, o general Eduardo Pazuello, também vem deixando sua marca quando se dirige à população.

Porém, no caso de Pazuello, suas falas são repletas de informações truncadas que, muitas das vezes, mais confundem do que explicam.

O militar sem nenhuma experiência na área científica que comanda a pasta da Saúde deu mais um exemplo de sua inaptidão com o uso das palavras.

Eduardo Pazuello deu mais uma declaração nesta segunda-feira (11) que pouco explicou sobre quando irá se iniciar o processo de vacinação no Brasil.

O militar disse que os estados irão receber as vacinas "três ou quatro dias" depois que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autorizar o uso delas.

Otimismo

Pazuello informou que o dia que a vacinação começar será no dia "D" e horário será a "Hora H". Que bom que o ministro explicou, a população brasileira deve estar bem mais otimista com a declaração do ministro da Saúde.

Mas ao que parece, quem estava realmente otimista era o próprio Pazuello quando deu a explicação em Manaus. O general do Exército também esclareceu que a vacinação será feita em todo o país e que o Brasil irá dar exemplo para o mundo.

SUS

O Ministério da Saúde informou no sábado (9) que todas as doses da vacina contra a Covid-19 serão distribuídas com exclusividade pelo SUS (Sistema Único de Saúde), simultaneamente para todos os estados.

Fazendo um agrado ao seu superior hierárquico, Pazuello declarou que não haverá obrigatoriedade de se tomar a vacina –Bolsonaro sempre bateu nesta tecla.

Estados e municípios

Pazuello disse que cada estado tem seu próprio programa de vacinação e os municípios têm a responsabilidade de deixar as salas de vacinação prontas para o processo de imunização.

O ministro ainda informou que os planos estaduais para a vacinação já existem, eles têm somente que ser adequados, enquanto os planos dos municípios são somente de execução.

Imprensa

O ministro também deu mostras de querer ter um bom relacionamento com a imprensa. Depois de ter feito críticas à cobertura jornalística, Pazuello abriu seu discurso tecendo elogios aos profissionais de comunicação.

Amazonas

A ida de Pazuello ao estado foi para anunciar medidas de combate à Covid-19. Em oito meses, o sistema de saúde do Amazonas vem enfrentando dificuldades provocadas pelo novo coronavírus.

A alta de mortes e casos de Covid-19 tem congestionado o sistema de saúde do estado. Depois das festas do final do ano também aconteceu um aumento no número de enterros, entre outros diversos problemas na saúde que o estado vem passando.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!