Os dois engenheiros que atestaram a segurança da barragem de Brumadinho-MG, a qual se rompeu na última sexta-feira, dia 25, causando um rastro de destruição na cidade, foram presos na manhã desta terça-feira (29), na zona sul de São Paulo. Os engenheiros trabalham na empresa TÜV SÜD, prestadora de serviços à Vale.

Os mandados de prisão foram expedidos pelo Poder Judiciário do estado de Minas Gerais e cumpridos pelo Ministério Público de São Paulo e pela Polícia Civil paulista.

A justiça mineira também expediu mandados de prisão contra três funcionários da Vale, em Minas Gerais, responsáveis pelo empreendimento de minério e do licenciamento da empresa. As prisões têm caráter temporário de 30 dias, no entanto, a justiça mineira poderá prorrogar uma vez mais por igual período.

As autoridades que cuidam do caso querem saber se os documentos que aprovam a segurança da barragem sofreram algum tipo de adulteração.

Atestado de segurança

Os investigadores responsáveis pela prisão dos engenheiros informaram que os dois tiveram participação direta no documento que atestou a segurança da barragem número 1 da Mina do Feijão, que se rompeu na última sexta-feira (25), na cidade de Brumadinho.

Na casa de Makoto Namba, um dos engenheiros presos na operação, um detalhe chamou a atenção dos policiais: o engenheiro preservou vários recortes de jornal com informações sobre a tragédia de Mariana, ocorrida em 2015.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia Natureza

A polícia também apreendeu cartões de crédito, computadores e extratos de contas bancárias do engenheiro no exterior.

A Vale do Rio Doce soltou uma nota afirmando que está colaborando com as autoridades. Na nota, a empresa faz referência aos mandados cumpridos nesta manhã.

"Referente aos mandados cumpridos nesta manhã, a Vale informa que está colaborando plenamente com as autoridades. A Vale permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas."

Na tarde desta segunda-feira (28), a empresa divulgou que irá doar R$ 100 mil para cada família atingida pela tragédia ambiental.

Mandado de busca e apreensão em empresas estão sendo cumpridos

Outros dois mandados de busca e apreensão ainda estão sendo cumpridos pela Polícia Federal em São Paulo, em operação conjunta com o Ministério Publico e Polícia Civil. O alvo são empresas prestadoras de serviços da Vale, no entanto, a justiça não divulgou o nome destas empresas.

A Justiça mineira não descarta novos pedidos de prisão contra outros funcionários ligados à segurança das barragens de Brumadinho.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo