Em meio a pandemia da covid-19, algumas medidas alternativas estão sendo tomadas para que pessoas que estão no grupo de risco não sejam contaminadas com o novo coronavírus. Na comunidade da Rocinha, no Rio de Janeiro, um morador usou a criatividade para continuar recebendo comida da mãe, que é idosa, durante o isolamento social.

"Lá em cima é onde a minha mãe tá isolada por conta da quarentena. A gente tem esse sistema de elevador. A comida desce para não ter o perigo de contaminação. Minha mãe é um pouco mais velha", argumentou Michel Moreira.

Situação do Rio em meio à covid-19

Em todo o país, o surto da covid-19 já é presente.

Atualmente, o estado mais afetado e com mais mortes, é São Paulo. O Rio de Janeiro, até o presente momento, registra 58 o número de óbitos, com 1.246 casos confirmados. Mediante ao aumento no número de mortes, medidas emergenciais estão sendo tomadas por governantes do estado.

Recentemente, o atual governador, Wilson Witzel, informou que usará o Sambódromo para abrigar moradores que se encontram em situação de rua. O objetivo é privar eles de um possível contágio em massa, já que muito possuem a imunidade baixa e ficam mais vulneráveis a serem contaminados com o covid-19.

Além do Sambódromo, o estádio do Maracanã será usado para dar apoio aos enfermos do vírus. De acordo com informações, um hospital improvisado será montado dentro do estágio.

O intuito é atender toda a população do Rio que estiver com suspeita e até mesmo com o contágio do vírus. Pelo fato dos hospitais estarem superlotados, a criação de um novo hospital irá acolher mais pessoas.

As obras já começaram, mas não tem previsão para terminar.

Ministério da Saúde

Agentes da saúde informaram que até o presente momento, a situação do Brasil é controlável, onde morreram 455 pessoas.

Por mais que seja um número espantoso, o país está longe dos demais países Europeus, onde diariamente, alguns chegam a registrar cerca de 900 mortes. Para que essa situação não chegue no Brasil, os profissionais da área da saúde fazem campanhas de prevenção diariamente, com intuito de alertar a população brasileira sobre as consequências da covid-19.

Mesmo tendo números comprovando o número de mortes, muitas pessoas continuam a desacreditar sobre as consequências do vírus. Em meio a quarentena, muitas pessoas continuam indo as ruas ou até mesmo trabalhando. Perante a essas pessoas, medidas extremas foram tomadas pelo Ministro Sérgio Moro, com apoio de outros ministros.

A lei já sancionada, menciona a punição de pena para quem estiver com suspeitas do vírus e descumprir a quarentena, podendo ficar 1 ano detido. Nos casos mais graves, a pessoa poderá ser condenada em até 15 anos, que seria os casos de pessoas que sabem do contágio do vírus e dissemina ele para terceiros.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!