Durante proliferação do novo coronavírus no Brasil, médica relata situação de unidade hospitalar em Fortaleza. A médica Mariana Chaves, com 12 anos de experiência em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), relata em entrevista ao G1 que o atendimento de pacientes com o vírus nesse momento de pandemia “supera tudo”.

Diante da alta demanda de atendimento médico, a profissional da Saúde se voluntariou para participar da recuperação de pacientes com contágio do vírus e conta como está sendo o dia a dia nesse período de proliferação do vírus.

Mariana relatou que a maioria das UTIs que tinha o foco de abranger todos os atendimentos, ficou exclusiva para atendimentos voltados para pessoas que estão com suspeitas e até mesmo com o contágio do coronavírus.

Nesse período, a gente não pode sair pra absolutamente nada, nem passar da porta. A gente não pode ir no banheiro, nem comer ou beber água'', disse Mariana. A médica também informou que esse período está sendo bastante difícil, tendo em vista que o aumento de casos de contaminação do vírus aumenta gradativamente.

Ela também relatou que existem muitos pacientes em situação crítica, mas pela falta de equipamentos ou até mesmo de atendimentos, muitos pacientes estão vindo a óbito. Ela divide os plantões onde trabalha com seu atual marido, que também é médico.

Coronavírus

O surto do vírus está afetando todas as áreas de unidades hospitalares, tanto de redes públicas e particulares. Isso é consequência do alto avanço da doença no Brasil, onde, de acordo com informações do Ministério da Saúde, cerca de 1.230 pessoas foram vítimas fatais e 22.318 casos confirmados.

Apesar de tamanha evolução do vírus, muitos brasileiros continuam desorientados a respeito dos sintomas da doença. Diante disso, pelas redes sociais, muitos profissionais da área da saúde informam que só é necessário ir a uma unidade hospitalar se os sintomas forem graves, tendo, como exemplo, tosse constante seguida de falta de ar.

De acordo com informações, muitos pacientes estão apresentando quadro instável de resfriado, mas, por medo, muitos estão indo a unidades hospitalares para a realização do exame médico para constatar se há ou não o contágio do novo coronavírus.

Prevenção

Métodos de proteção são divulgados diariamente por entidades da rede da saúde. Pelo Facebook, o Ministério da Saúde informa que é necessário permanecer em casa nesse período de proliferação, em especial as pessoas que estão no grupo de risco.

A melhor forma de prevenção, de acordo com especialistas, é lavar bem as mãos com água e sabão, evitar colocar as mãos no rosto e também evitar lugares com grandes aglomerações.

Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!