Um grupo que tirou fotos na praia durante o período de proliferação do novo coronavírus será indiciados pelo crime de desobediência após saír de casa na quarentena. De acordo com informações do G1, algumas pessoas descumpriram a medida de quarentena e foram em uma praia de Sergipe. O grupo ainda chegou a publicar fotos nas redes sociais com as legendas como "obedientes que somos" e "gostamos do proibido".

Diante disso, a Polícia Civil conseguiu localizar os envolvidos na ação e todos serão indiciados. A Polícia ainda fez um Termo de Ocorrência Circunstanciado, que será encaminhado ao Poder Judiciário e ao Ministério Público do Estado.

Após a publicação nas redes sociais, o caso repercutiu bastante e os envolvidos removeram o conteúdo das redes sociais, mas algumas pessoas conseguiram salvar o conteúdo e repostaram nas redes sociais.

Sergio Moro

O atual ministro da Justiça, Sergio Moro, decretou uma lei no início da pandemia do novo coronavírus no país para punir aquelas pessoas que descumprirem as medidas de quarentena. De acordo com algumas informações, a punição que poderá caracterizar em prisão seria para aquelas pessoas que tiverem suspeitas do contágio do coronavírus e saírem nas ruas, podendo ser penalizadas em até 1 ano de prisão.

Já aquelas pessoas que tiverem ciência do contágio do vírus e transmitirem de forma proposital para terceiros poderão ser penalizadas em até 15 anos de prisão.

O intuito dessa norma seria evitar que pessoas com os sintomas do coronavírus saíam nas ruas. Ainda não se tem informações de quantas pessoas foram presas.

Brasil e coronavírus

Assim como os demais países, o Brasil também está sendo afetado com o vírus. Nesse período de quarentena, de acordo com informações do Ministério da Saúde, 2.484 mortes foram registradas e 39.144 casos foram confirmados.

A maioria das mortes foi registrada nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo.

Com o avanço da doença, muitas empresas, lojas e comércios fecharam as portas por recomendações governamentais. Com isso, muitas pessoas perderam os respectivos empregos ou estão em casa sem receber o salário mensal.

Para oferecer ajuda às pessoas e também aquelas que trabalham de forma autônoma foi sancionada uma lei para beneficiar algumas famílias com auxílio emergencial de R$ 600, podendo ter um acréscimo para aquelas mulheres que conseguirem atestar serem 'chefes' de família, chegando a R$ 1.200.

O presidente da República ainda informou que as pessoas que tiverem débitos antigos, os bancos não poderão pegar parte do auxílio recebido para descontar as dívidas. Bolsonaro informou que essa seria uma forma para coibir os bancos de pegarem dinheiro da população que possuía saldos negativos.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!