A Revista Nature Neuroscience divulgou no dia 12 de fevereiro de 2019 um achado científico envolvendo a maturação cerebral do autista em comparação a cérebros de indivíduos neurotípicos, onde os últimos são aqueles com desenvolvimento cerebral comum à maioria da população. Na pesquisa feita, participaram 27 indivíduos portadores do Transtorno do Espectro Autista considerados de 'alto funcionamento', sendo que 2 desses eram mulheres.

Publicidade
Publicidade

Vinte e nove (29) indivíduos participantes eram neurotípicos, dentre eles, 12 mulheres.

A Universidade Federal do Rio de Janeiro, na figura do professor Stevens Rehen, organizou um estudo científico em acompanhamento a organoides, que representam pequenas estruturas (3-5 milímetros) agregadas neuronalmente a partir de células epiteliais ou urinárias reprogramadas. Desta forma, elas se configuram na estrutura orgânica desejada, mas na forma de uma miniatura.

Publicidade

O professor Rehen e a pós-doutoranda, Lívia Goto, resolveram transformar tais células em pequenos cérebros, denominados pela equipe como mini-cérebros.

Maturação cerebral e balanço neuroquímico no Autismo

Pelos resultados de pesquisa obtidos e divulgados pela Revista Nature Neuroscience e utilizando-se da metodologia de pesquisa denominada "interação grupo por tempo", pode-se inferir que ocorria decrescimento em formação estrutural envolvendo a interação da região frontoparietal coligada a outras áreas do cérebro, como aquelas responsáveis pela atenção visual, dorsal, além de redes padrão e subcorticais.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Saúde Ciência

Dessa forma, as ligações neuronais esperadas e necessárias à fase juvenil mostraram-se mais intensas (hiperconectividade), que do grupo neurotípicio no início do acompanhamento, mas decrescentes durante as próximas fases de acompanhamento (poda adaptativa). O grupo neurotípico obteve aumento em intensidade na conectividade dessa interação-rede durante um longo-prazo em comparação ao grupo portador do Transtorno.

Essa diferença temporal envolvendo a conectividade das áreas apresentadas, foi percebida também no gênero feminino e remete ao fato de que há diferenças de sintomatologias no Espectro no decorrer de um diagnóstico.

Sendo assim, o TEA "afeta o desenvolvimento da conectividade intra e inter-sistema do sistema frontoparietal na adolescência e no início da fase adulta", mas demonstrou-se que a "poda adptativa" é realizada ao fim da fase infantil e no início da adulta, possibilitando melhoria dos sintomas.

Publicidade

A pesquisa publicada na Revista Nature deixou algumas ressalvas como a diferenciação desse desenvolvimento oscilátório do frontoparietal em mulheres e homens autistas, uma vez que deverá também ser adicionadas outras variáveis hormonais e púberes de diferenciação entre ambos.

Nas pesquisas realizadas no entorno dos organoides (mini-cérebros), foi possível averiguar desbalanços neuroquímicos no cérebro de portadores do Autismo, confirmando a diferença conectiva neuronal.

Publicidade

Dessa forma, a UFRJ pretende avançar nos estudos dessas 'miniaturas orgânicas' na esperança de fornecer melhores respostas medicamentosas em termos neuronais, uma vez que se estará a observar um protótipo do cérebro humano em simulação de várias substâncias psicodélicas ou não nesse orgânica.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo