O caso da mulher que está em coma há 14 anos e deu à luz um bebê chocou o mundo. A história se passou no hospital Hacienda HealthCare, na cidade de Phoenix, no estado do Arizona. A entidade comunicou que o menino passa bem e apresenta boa saúde. Já a CNN, relatou que a criança teve um parto difícil e segue hospitalizado.

O advogado da família disse que o bebê talvez seja criado pelo avós, apesar da indignação e trauma pelo qual passou a sua filha, em estado tão frágil, dentro de um local que deveria tê-la amparado do melhor modo possível.

Publicidade

Como encontra-se em estado vegetativo, a Mulher não pode falar ou se mexer. A Polícia segue investigando e os enfermeiros disseram que não tinham percebido nada de anormal até a hora que ela entrou em trabalho de parto, em 29 de dezembro de 2018.

Diretor do hospital renunciou

Já um dos diretores executivos do hospital viu-se obrigado a renunciar após o escândalo. Bill Timmons pediu a renúncia e foi prontamente aceito pelo Conselho Executivo do Haciente Healthcare. Ele ocupava o cargo nos últimos 28 anos e não foi encontrado pela impressa para dar explicações.

No comando agora, o vice-presidente Gary Orman, está empenhado e espera que o caso seja solucionado e que o culpado seja preso por este ato horrível que abalou extremamente a família e todos os funcionários do local.

Orman disse ainda que os paciente, familiares e ao governador do Arizona que eles vão colabora com a polícia de todos os modos possíveis. E que vão fazer o máximo possível para garantir a segurança dos residentes e de todos os funcionários do hospital Hacienda HealthCare. Um inquérito policial já foi aberto pela Polícia da cidade de Phoenix para investigar o caso para saber quem possa ter engravidado a mulher.

Publicidade

O sistema de convênios de saúde do Estados Unidos já havia dado notas "abaixo da média" nas avaliações de 2017 e classificou o cuidado com os paciente do hospital como "muito abaixo da média".

O local atende pessoas com deficiências em geral e já havia sido denunciada em 2013 pelo comportamento inadequado de um funcionário que fazia comentários sexuais para os enfermos. O homem acabou sendo demitido. Já em 2018, o local foi acusado de quebrar a privacidade dos residentes durante o banho, pois segundo a denúncia os funcionários circulavam pelo banheiro enquanto eles tomavam banho.

O motivo para a mulher encontrar-se neste estado foi um afogamento ocorrido há 14 anos.