O presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, prometeu fazer um corte substancial nas verbas oficiais destinadas ao mercado publicitário brasileiro. O Palácio do Planalto já possui um projeto de lei pronto para ser apreciado no Congresso Nacional.

Trata-se de uma proposta voltada para a proibição de um instrumento de negociação de caráter comercial que, de acordo com especialistas e críticos, acabou favorecendo e garantindo o domínio da Rede Globo de Televisão no mercado publicitário de emissoras de televisão de transmissão aberta no Brasil.

Texto escrito por concorrentes da Rede Globo

Vale ressaltar que o texto foi inscrito por membros integrantes de agências de publicidade e executivos que se caracterizariam por serem concorrentes da Rede Globo, o que deverá ser apresentado pelo deputado federal eleito do PSL (partido do presidente Jair Bolsonaro) e ex-ator Alexandre Frota. Vale lembrar que a nova legislatura de deputados e senadores eleitos tomará posse no início do mês de fevereiro.

De acordo com o deputado eleito Alexandre Frota, "o projeto teria sido entregue a ele e a uma equipe de profissionais com a autorização do presidente Jair Bolsonaro". Ainda de acordo com o ex-ator da Rede Globo, o mesmo "apresentará o projeto ao presidente e se reunirá com representantes de algumas das principais emissoras de televisão do país, como: SBT, Rede Record, Rede TV e talvez, a Rede Bandeirantes".

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Jair Bolsonaro Governo

Vale, no entanto, afirmar que a maior emissora de televisão do Brasilm, a Rede Globo, não deverá participar do encontro.

Já na última segunda-feira (07), o presidente Jair Bolsonaro teria sinalizado essa intenção. O fato teria ocorrido quando o mandatário brasileiro se manifestava ao reiterar críticas dirigidas à distribuição de verbas oficiais do Governo federal para veículos de comunicação da grande mídia.

O presidente afirmou que "pretende buscar juntamente ao Parlamento brasileiro a questão do BV e que isso teria de deixar de existir, além de já ter aprendido em relação a isso e ter ficado assustado". As críticas do presidente foram feitas durante discurso realizado na cerimônia de posse dos novos presidentes de bancos públicos, como: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O BV trata-se de uma sigla de Bonificação de Volume e seria o alvo em questão por parte do governo federal. Esse mecanismo teria sido introduzido pela Rede Globo em meados dos anos 60 para, de acordo com a emissora carioca, estimular o mercado de publicidade no Brasil. Para críticos, isso acaba criando um ciclo de caráter vicioso, já que o meio mais rico do Brasil, em se tratando da TV aberta, acaba mantendo o seu domínio sobre todo o bolo publicitário, o que alimentaria as agências com os chamados BVs.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo