Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, enviou uma carta ao jornal Folha de S.Paulo para esclarecer uma reportagem publicada pelo veículo em parceria com o site The Intercept Brasil. A reportagem publicada no último domingo (30) analisou mensagens obtidas pelo site que apontam que a delação de Léo Pinheiro teria sido forjada, ao que o empresário rebate dizendo que não foi coagido.

O empreiteiro Léo Pinheiro está preso em Curitiba, e, desde a sua prisão, não falou com a imprensa, porém, decidiu quebrar o silêncio e esclarecer o caso sobre a sua delação premiada.

O ex-presidente da OAS foi a principal testemunha para a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso do triplex de Guarujá.

Na carta, o empreiteiro afirma que não mudou ou criou versões do depoimento porque estava sendo pressionado pela Polícia Federal ou Ministério Público. Ele escreve que decidiu fazer a delação premiada em meados de 2016, quando ainda estava em liberdade.

Léo Pinheiro disse na carta que a decisão de fazer a colaboração premiada foi uma opção dele, e não em razão de ter sofrido pressão de autoridades.

Ele redigiu que foi uma forma de passar a limpo os erros cometidos. Completa ainda que seu compromisso é com a verdade, e destaca que o seu relato tem credibilidade, já que foi sustentado por testemunhas e documentos.

Léo Pinheiro teria sido coagido

A reportagem publicada pela Folha de S.Paulo, em parceria com o The Intercept Brasil, revela que as mensagens trocadas entre os procuradores indicavam que o depoimento de Léo Pinheiro passou a ter credibilidade após mudar diversas vezes sua versão sobre o triplex de Guarujá, na qual ele afirmou que foi reformado pela empresa para o ex-presidente Lula.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Sergio Moro

As investigações sobre a relação de Lula e a empresa também recaem sobre o sítio de Atibaia. As mensagens obtidas pelo site, e analisadas pela Folha, mostram que os procuradores estavam irritados na primeira fase da negociação com empreiteiro.

Léo Pinheiro apenas descrevia que as reformas no tríplex e no sítio foram uma forma de agradar a Lula, sem contrapartida, versão que ose os procuradores consideraram pouco crível.

Então, em 2017, em depoimento ao então juiz Sergio Moro, Léo Pinheiro mudou sua versão sobre o apartamento do Guarujá, afirmando que pertencia a Lula, e que as reformas no apartamento e no sítio foram pagas pela OAS e o valor foi descontado da propina que estavam devendo ao PT em favor de contratos fechados com a Petrobras.

Condenação de Lula

Lula foi condenado por Sergio Moro por Corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex de Guarujá.

A pena foi de 9 anos e 6 meses de prisão, e depois reduzida para 8 anos e 10 meses pelo Superior Tribunal de Justiça. O Ministério Público denunciou Lula em 2016 sobre a acusação de receber propina da OAS em troca de contratos com a Petrobras.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo