O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pode deixar a prisão a qualquer momento e ir para o regime semiaberto. Ele já cumpriu 1/6 da pena no caso do triplex de Guarujá, o que lhe dá direito à progressão. E essa foi a pauta da conversa de seus advogados com Lula na manhã desta segunda-feira (30), quando também estiveram presentes Gleisi Hoffmann, presidente do PT, e o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT).

A ideia, no entanto, não agrada o ex-presidente.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, leu uma carta do ex-presidente, com os dizeres "não aceito barganhar meus direitos e minha liberdade", insistindo que ele não reconhece a legitimidade do processo. Zanin esclareceu que Lula não irá negar uma decisão judicial, e sim que não aceitará "barganhas" no cumprimento de uma decisão imposta pelo Estado.

"Não troco minha dignidade por minha liberdade", disse o petista.

Preso na carceragem da Polícia Federal desde 7 de abril de 2018, Lula já tem o direito de progredir do regime de prisão. Essa possibilidade foi solicitada na sexta-feira (27) pelo Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR) à Justiça Federal de Curitiba. O caso foi parar com a juíza Carolina Lebbos, responsável pela execução penal de Lula, que solicitou um histórico de conduta do ex-presidente na prisão e também pediu a manifestação da defesa.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato Lula

É Lebbos quem terá a palavra final na decisão. O próprio coordenador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, assinou um ofício admitindo que Lula tem direito a uma pena mais branda, pois já cumpre os critérios para um regime mais benéfico.

'Tornozeleira, não'

Lula já se manifestou anteriormente que não aceita deixar a prisão usando tornozeleira eletrônica e tem insistido na inocência. Juristas ouvidos pelo portal UOL avaliam que Lula não pode recusar sair da prisão, fato possível apenas se recusar a cumprir alguma determinação da Justiça, o que poderia lhe causar uma regressão de pena.

Para o advogado e criminalista Gustavo Badaró, professor da USP, entrevistado pelo UOL, o gesto de Lula é "mais político do que jurídico".

Os advogados de Lula anunciaram que entrarão com petições ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando urgência nos recursos já encaminhados à avaliação do Tribunal para anular a condenação. Existem dois pedidos de suspeição nos recursos da defesa. O primeiro envolvendo o ex-juiz Sergio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública, solicitação reforçada pelos diálogos vazados pelo site The Intercept Brasil. O outro pedido envolve os procuradores da República que integram a força-tarefa Lava Jato pelo mesmo motivo.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo