Durante uma entrevista ao jornal britânico The Guardian, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a criticar as medidas tomadas pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia do novo coronavírus.

Para Lula, o atual chefe do Executivo está levando a população brasileira para o "matadouro", tendo em vista a não preocupação do isolamento social e outras medidas não tomadas para coibir o avanço do novo coronavírus nas terras brasileiras. "Não podemos derrubar um presidente porque não gostamos dele. [Mas], se Bolsonaro continuar cometendo crimes de responsabilidade, tentando levar a sociedade para o matadouro, que é o que ele está fazendo, eu acho que as instituições precisarão achar um jeito de resolver o problema", disse.

Lula ainda relatou durante a entrevista que Bolsonaro está fazendo com que o Brasil se torne um novo Equador, tendo em vista que no país os corpos estão sendo jogados na rua por falta de lugares adequados para o armazenamento.

"Infelizmente, eu temo que o Brasil vá sofrer muito por causa do comportamento imprudente de Bolsonaro. Eu temo que, se isso [número de mortes] crescer, o Brasil possa ver casos como aquelas imagens horríveis que vimos em Guayaquil [no Equador]", argumentou Lula.

Ao longo da entrevista, o petista informou a importância do isolamento social no Brasil, pois os números em relação às mortes podem avançar de forma incontrolável pelo fato de Bolsonaro não tomar medidas cabíveis para que isso fosse evitado.

Além das críticas realizadas durante a entrevista, o ex-presidente também se posiciona através das suas redes sociais.

De acordo com as últimas atualizações do Ministério da Saúde, o Brasil registra 1.952 mortes e 30.891 casos confirmados.

Bolsonaro e medidas para saúde

Nos últimos dias, Bosonaro acabou entrando em um conflito de ideias com até então ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta.

O chefe do Executivo estava se desentendendo com as ideias de Mandetta, pelo fato do ministro informar que o país não tem condições para retomar parte das atividades profissionais nesse período de pandemia.

Já Bolsonaro entende que o país precisa voltar ao trabalho, pois a economia será afetada. "Ou o brasileiro morre de coronavírus ou de fome, já que a economia irá ser afetada", disse o presidente recentemente.

Nesta última quinta-feira (16), Mandetta foi demitido do cargo de ministro, dando lugar paara o médico oncologista Nelson Luiz Sperle Teich.