Após deixar a cadeia, o ex-presidente Luiz Lula Inácio da Silva (PT) tem dado sua opinião sobre as decisões que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) toma diante da proliferação do novo coronavírus.

"A mesma sociedade que o elegeu tem o direito de destituir esse presidente quando perceber que ele não está fazendo o que prometeu. Um presidente que cometeu erros e está criando um desastre. Bolsonaro, neste momento, é um desastre'', argumentou Lula em entrevista à agência de notícias Associated Press.

Pronunciamento de Bolsonaro

No final da noite desta quarta-feira (8), o chefe do Executivo federal voltou a se posicionar sobre a proliferação da covid-19 no país e o que ele pretende fazer em relação a isso.

Antes mesmo do pronunciamento ao vivo, algumas pessoas mostravam seus atos de repúdio ao atual presidente através de panelaços. Pelas redes sociais, muitas pessoas compartilhavam vídeos de pessoas a favor da manifestação enquanto Bolsonaro realizava o pronunciamento.

Mesmo sendo hostilizado por parte da população, Bolsonaro voltou a mencionar a importância da retomada das atividades profissionais no país. De acordo com o presidente, muitas pessoas estão precisando voltar a trabalhar, mas não estão conseguindo após o Ministério Mundial da Saúde declarar paralisação total nas atividades profissionais até que uma medida seja tomada para coibir o avanço do vírus no país.

O posicionamento sobre a retomada das atividades no país em meio à pandemia do vírus está fazendo com que Bolsonaro perca muitos seguidores, tendo em vista que muitos brasileiros estão com medo de voltar a trabalhar por conta do grande número de mortes envolvendo a doença.

Bolsonaro deu a entender que apenas as pessoas que não estiverem no grupo de risco poderão exercer as atividades profissionais, já que, segundo ele, as consequências do novo coronavírus não irão passar de uma simples ''gripezinha'' ou ''resfriadinho''.

Vírus

Apesar do país tomar medidas extremas para coibir o avanço do vírus, muitas pessoas continuam morrendo diariamente.

De acordo com informações do Ministério da Saúde, cerca de 822 pessoas foram vítimas fatais e 16.195 casos registrados.