Políticos e lideranças do estado do Maranhão se manifestaram em suas redes sociais após a posse do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden e registraram a felicidade com o fim do governo Donald Trump.

A maioria considera que a mudança de gestão na maior potência mundial reflete diretamente no enfraquecimento da extrema-direita na América e, consequentemente, no Brasil. Consideram um vislumbre do que pode acontecer nas Eleições de 2022 no país, quando o atual presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), tentará a reeleição.

Biden: inspiração para governador do Maranhão

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), demostrou esperança com o novo governo dos Estados Unidos.

"Mesmo que a extrema-direita nos Estados Unidos continue expressiva, o que não é novidade (ku klux klan, macarthismo etc), o fim do governo de Trump é uma esperança. E o anúncio da alvorada que virá no Brasil, depois de tão densas trevas", publicou em suas redes sociais.

Era Biden: deputados federais se manifestam

O deputado federal Bira do Pindaré (PSB) manifestou-se no Twitter afirmando: "fim de linha para Trump. Uma dura derrota para os fascistas. #BlackLivesMatter."

Sobre a gestão do presidente Jair Bolsonaro, o deputado federal licenciado e atual secretário de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano, Márcio Jerry (PCdoB), afirmou que o atual presidente do Brasil não serve para o cargo.

"Desde sempre todos sabemos que Bolsonaro é a síntese de tudo que não serve para a Presidência da República. Mas muito bem vindos os que somente agora constatam isso. #CongressoPauteOImpeachment #ImpeachmentSalvaVidas #dia23ImpeachmentJa", publicou.

Para o deputado federal licenciado e atual secretário de Articulação Política, Rubens Pereira Júnior (PCdoB), o "fim da Era Trump sinaliza para a interrupção de um populismo de direita que se põe contra as instituições democráticas.

Que Biden lidere o fortalecimento do Estado de Direito".

As pretensões de Flávio Dino para 2022

O governador Flávio Dino tem se articulado dentro e fora do seu partido como pré-candidato a presidente da República.

Em manifestações recentes, ele afirmou que o seu nome está à disposição desde que haja uma unidade da esquerda como forma de criar uma frente ampla com partidos, como PT, PDT, PSOL e PSB.

Caso a união não venha a acontecer, as pretensões de Flávio Dino será lançar-se candidato a senador da República em 2022, quando os eleitores maranhenses elegerão apenas um novo representante.

Com sua desincompatibilização em abril do mesmo ano, Flávio deixará o vice-governador Carlos Brandão em seu lugar.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Eleições
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!