O Supremo Tribunal Federal (STF) divulgou uma nota rebatendo a fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que a Corte teria impedido o Governo federal de intervir no combate ao coronavírus nos estados e municípios.

Por meio de uma nota, o STF disse que não é verídica a narrativa que circula nas redes sociais dizendo que a Corte havia impedido o governo federal sobre qualquer ação no combate à pandemia.

Desta vez o STF deixou bem claro que as acusações feitas por Bolsonaro contra a Corte durante uma entrevista ao programa “Brasil Urgente”, da TV Band, foram mentiras.

As declarações do presidente são referentes à crise sanitária que Manaus vive por conta da falta de oxigênio nos últimos dias.

No programa apresentado por José Luiz Datena, Bolsonaro disse através de um telefonema que o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), não poderiam ficar pedindo um impeachment contra ele ou apontá-lo como culpado pelo que houve em Manaus. Ele justificou dizendo que não pôde fazer nada para ajudar a conter a situação porque o STF disse que o problema não fazia parte do governo federal. Bolsonaro disse também que, pela vontade do STF, era para ele está tomando banho de praia.

Na entrevista Bolsonaro disse também que seu erro agora foi não obedecer à Corte e prestar apoio a Manaus, disponibilizando aeronaves para ajudar na transferência dos pacientes, oxigênio e com o procedimento do tratamento precoce, afirmando que Manaus não tinha o apoio de ninguém antes.

No entanto, o Supremo disse que a decisão do Plenário foi que todos os poderes tinham o dever de ajudar no combate à pandemia, inclusive a União. Essa mesma narrativa foi repetida por diversas vezes pelos ministros do STF em momentos diferentes.

Situação em Manaus está se estabilizando

A situação em Manaus chamou a atenção de todo país, visto que os pacientes contaminados pelo coronavírus estavam morrendo por falta de oxigênio.

Alguns famosos realizaram uma campanha para ajudar na compra do insumo e enviaram para Manaus.

Até o momento a situação estava se estabilizando, pois o governo também disponibilizou cilindros de oxigênio e aeronaves para ajudar a transferir os pacientes para hospitais em outros estados.

O Procurador-Geral da República, Augusto Aras, instaurou um inquérito para investigar se houve omissão dos governos estadual e municipal quanto à crise sanitária.

Para o procurador, a situação só chegou a este ponto por falta de comunicação entre os poderes.

Anvisa aprovou o uso emergencial de vacina

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou neste domingo (17) o uso emergencial das vacinas CoronaVac e Oxford/AstraZeneca. A notícia foi comemorada por diversos parlamentares que esperavam pelo imunizante.

O governador João Doria foi um dos que estavam presentes quando a primeira pessoa foi vacinada em território brasileiro.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Política
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!