A professora do Rio de Janeiro Rosana Louzada, de 36 anos, passou por situação de terror total. Ela foi submetida a uma sessão de tortura que durou aproximadamente 12 horas. A professora conta que devido à gravidade das agressões, chegou a perder parcialmente a capacidade auditiva.

Rosana relatou ao portal G1 que jamais passou por um momento tão difícil no decorrer de toda sua vida, pois com a possibilidade de seu ex-companheiro, suspeito do crime, ser solto, ela está vivendo com medo constante.

Publicidade

A professora relatou que já teria sido agredida pelo homem inúmeras vezes. Disse, inclusive, que durante sua gestação teria sido espancada por ele, época em que estava grávida de 7 meses. “Ele chegou a me levantar pelo pescoço com uma mão só. Eu cheguei a segurar na mesa e o que estava em cima caiu e quebrou os copos. Ele me bateu também, porque os copos haviam quebrado e estava fazendo barulho durante a madrugada”, relatou a professora.

A vítima disse ainda que durante as agressões a que foi submetida pelo então companheiro no decurso do período em que estava grávida, ela chegou a se urinar, e ele a abrigou a limpar, o que levou Rosana a escorregar na própria urina.

O filme de terror vivido pela professora trouxe como consequência a perda da capacidade auditiva de um de seus ouvidos. De acordo com afirmações de Rosana, os advogados empenhados na defesa de seu ex-companheiro, Davidson da Silva, estão na tentativa de descaracterizar o crime de tortura e assim conseguir um habeas corpus perante a Justiça.

A Mulher relata estar apavorada com a possibilidade de que ele seja solto, pois acredita que casso isso aconteça, ele irá atrás dela para matá-la.

A professora desabafou: “Ele destruiu minha vida, destruiu os meus sonhos, destruiu tudo o que eu tinha de melhor.

Publicidade

Tirou de mim o meu emprego, a minha alegria, e agora ele está tirando a minha liberdade. Não tenho paz com o medo de ele ser solto e vir atrás de mim para me matar”. A perícia do Instituto Médico Legal (IML) constatou que mesmo se o tímpano da vítima fechar, parte de sua audição não será totalmente recuperada.

Rosana não foi a única vítima

A delegada responsável pelo caso, Fernanda Fernandes, informou que Rosana não é a primeira vítima de Davidson. Ela afirmou que todas as mulheres com quem ele teve um relacionamento sofreram de violência doméstica.

O G1 obteve acesso a um áudio de uma das ex-namoradas do agressor. No áudio, a vítima fala das agressões a que foi submetida durante seu relacionamento com Davidson. Por motivo de segurança prefere manter o anonimato. Ela relatou que ele a agredia por coisas fúteis, como o fato de estar na casa de sua mãe, por exemplo, ou não chegar em casa no horário combinado, ou seja, caso ela se atrasasse, ele ficava nervoso e a agredia. Tanto Rosana quanto as mulheres que foram vitimadas por Davidson anteriormente serão intimadas para que prestem depoimento novamente.

Publicidade