A revista Veja divulgou nesta sexta-feira (21), áudios de Márcia Aguiar, esposa do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, Fabrício Queiroz, enviados no mês de novembro do ano passado. Em um dos áudios, a esposa de Queiroz afirma que não aguentava mais a situação em que eles estavam vivendo e que sua família estava desmoronando.

De acordo com o que foi divulgado pela revista, os áudios apresentados foram colhidos diretamente do celular de Márcia Aguiar. As conversas eram entre a esposa de Queiroz e Ana Flávia Rigamonti, uma advoga contratada por Frederick Wassef que ganhou destaque na mídia após Queiroz ter sido encontrado pela Polícia Federal em uma residência de sua propriedade na cidade de Atibaia (SP).

Áudios

Durante a conversa com Flávia, a esposa de Queiroz relata que voltou a sofrer de depressão e, apesar de ser uma Mulher muito forte, estava muito difícil lidar com a situação.

Márcia também revela que, além de sua depressão ter voltado e passar os dias chorando com o emocional completamente abalado, a vida de sua família estava desmoronando e não está mais aguentando segurar a onda sozinha, questionando diversas vezes se a amiga tinha lhe entendido. “Só que eu não estou aguentando, você está entendendo? Não estou aguentando. Está muito difícil, amiga, está muito difícil, está muito difícil", disse.

O fato de que está muito difícil é mencionado diversas vezes por ela, que relata ainda que sua única ajuda é Deus.

Devido ao retorno da depressão causada pela situação, Márcia relata à advogada que não tem mais vontade e força de fazer nada, nem de cozinhar, se cuidar, se arrumar, sair, absolutamente nada.

Queiroz

Os desabafos de Márcia sobre seus sentimentos não foram os únicos, ela fala também sobre seu marido Fabrício Queiroz e se diz bastante preocupada com a saúde emocional dele, insinuando que alguém coagia Queiroz a não falar com a imprensa.

Em outra gravação, ela se desculpa com a advogada pelo desabafo, porém afirma que não pode fazer isso com o marido que também está com o emocional bastante abalado, e isso o afetaria mais ainda. Márcia também alegava que o casal não era foragido da Justiça, e que toda a situação estava realmente acabando com ela.

Queixa

Depois de ouvir os desabafos de Márcia, a advogada afirmou que já tinha relatado as reclamações para o "Anjo" e diz que sabe que Queiroz não está bem, que se distrai com afazeres domésticos, mas que era perceptível sua preocupação. Segundo ela, inclusive ele mesmo já havia dito para o "Anjo" que não estava mais suportando a situação e que queria ir para sua casa.

Existe a suspeita de que o "Anjo" seja um codinome ou apelido usado pelo advogado Frederick Wassef. Porém, desde a prisão de Queiroz e as polêmicas em torno de seu envolvimento com a família Bolsonaro, ele nega a hipótese e afirma que não sabe quem é o tal "Anjo".

Investigadores

Os áudios revelados pela Veja são todos relacionados ao cansaço, à pressão emocional, e aos problemas familiares causados pela "situação" de Queiroz se manter escondido como foragido, sem poder se comunicar com nenhum tipo de imprensa para prestar esclarecimentos.

A parte emocionalmente abalada de Márcia pode ser um ponto alto para os investigadores do caso. De acordo com a própria revista, ela é considerada o elo mais frágil de todo o esquema, o que sugere que, sob pressão, ela poderia esclarecer muitas coisas sobre o caso e sanar muitas dúvidas.

Siga a página Jair Bolsonaro
Seguir
Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Mulher
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!