O tratamento com o uso de ozônio via retal para o novo coronavírus recebeu a atenção do Governo, e o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, realizou nesta segunda-feira (3) uma reunião onde recebeu defensores da aplicação.

O tratamento ganhou notoriedade devido às declarações do prefeito de Itajaí, em Santa Catarina, Volnei Morastoni, que defendem a aplicação e chegou a declarar que distribuiria o tratamento à população. Volnei acabou virando assunto nas redes sociais e foi alvo de diversos memes.

Rio Grande do Sul

O deputado Giovani Cherini (PL-RS) participou da reunião e foi o responsável pela apresentação do projeto de ozonioterapia no combate à covid-19.

De acordo com o deputado, alguns hospitais do Rio Grande do Sul já são adeptos à prática, e inclusive já realizam a aplicação no caso de pacientes com diagnóstico positivo para coronavírus, citando como exemplo o Hospital Vila Nova.

Reunião

A reunião contou com a presença da médica Maria Emília Gadelha Serra, que liderou o grupo. Também estiveram presentes o assessor parlamentar Gustavo Machado Pires, o diretor do DEGES (Departamento de Gestão da Educação na Saúde), os deputados Osmar Terra e Darsísio Perondi, além do assessor especial do ministro Airton Cascavel.

Ao fim da reunião, Maria Emília comemorou em suas redes sociais, postando uma foto dela ao lado do ministro Pazuello com a frase "Ozonioterapia na Saúde!".

Evidência científica

A nova proposta de tratamento causou certa preocupação por parte de médicos. O consultor da SBI Leonardo Weissmann declarou que assim como os outros medicamentos indicados, o tratamento com ozônio via retal não tem comprovação científica nem de eficácia como de segurança, lembrando que até o momento não existe nenhum medicamento para coronavírus.

Mesmo com a grande repercussão diante do ozônio, o infectologista reafirma que a redução de casos positivos depende ainda das ações preventivas, sendo elas o uso de álcool em gel, lavagem frequente das mãos com sabão, o uso de máscaras de proteção e o distanciamento social.

Infectologista

O professor e infectologista da SBO Lauro Ferreira Pinto Neto explica que quando um tratamento fora do usual é recomendado existe a necessidade de explicação técnica para tal, e de acordo com ele os experimentos com a aplicação de ozônio não tem nem comprovação e nem lógica que explique sua ação contra a covid-19.

Conselho Regional de Medicina

O CRM (Conselho Regional de Medicina) do estado de Santa Catarina publicou uma nota oficial que proíbe indicação médica do tratamento por ozonioterapia dentro de hospitais e inclusive em consultórios com base na resolução CFM 2181/2018, do Conselho Federal de Medicina.

A regra só pode ser quebrada caso exista um consenso por parte do paciente em participar de um estudo "experimental", e mesmo assim deverão ser realizados seguindo protocolos, e de acordo com os critérios estabelecidos pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Governo
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!