A Polícia do Pará entrou no caso sobre o suposto desaparecimento de duas jovens, uma das quais teria mandado um áudio para seus familiares pedindo socorro. Ainda de acordo com as informações, as jovens de 13 e 21 anos desapareceram no último dia 2 de setembro. Em relato à polícia, os familiares contaram que as duas estavam indo em direção à praia, situada no distrito de Outeiro, em Belém.

Jovem envia áudio a familiares relatando sequestro

Ainda de acordo com relatos, Vitória Cristina, de 13 anos, saiu de casa dizendo para família que iria visitar uma amiga no bairro Brasília, e de lá ela teria se deslocado até a praia com a amiga Marcela Tayane, a qual acabara de conhecer no dia anterior ao desaparecimento.

Em depoimento, os familiares de Marcela afirmam que ela e a amiga teriam sido raptadas por dois homens armados em um carro vermelho. Essa informação está descrita no áudio enviado por Marcela ao pai.

A família de Marcela acredita que a jovem mantinha o aparelho celular escondido e conseguiu mandar a mensagem pedindo socorro. No áudio a moça também relatou ter sido agredida pelos sequestradores. O pai da jovem também conta que durante o áudio pode-se perceber que Vitória falava em tom baixo dizendo: "tia eles vão matar a gente". Após as mensagens enviadas não se conseguiu mais manter contato com a jovem.

Localizador de celular apontou para um sítio

Segundo as investigações, descobriu-se que o localizador de celular de Marcela apontava para uma chácara situada em um bairro distante de onde as vítimas teriam sido sequestradas.

No dia 2 de setembro, a Polícia Militar foi acionada e compareceu até o local informado, e por lá esperou por horas a espreita de algum suspeito, mas, como não encontraram nada, desistiram da operação. No dia seguinte, com um mandato de busca e apreensão, a PM compareceu ao local novamente, mas não encontrou nada no interior da chácara.

Vizinhos relatam ter visto carro com as jovens gritando

Os vizinhos que moram próximo ao sítio contaram à polícia que teriam visto o carro vermelho passar pela rua, e na ocasião, pode-se perceber gritos vindos do interior do veículo. Os mesmos também relataram ter ouvido gritos vindos do interior do sítio.

Em depoimento, a família de Vitória disse não acreditar que a adolescente esteja envolvida em dívidas com o tráfico de drogas, ou que esteja envolvida em atos infracionais.

Evangélica, a adolescente convivia com uma das tias e com os avós maternos, levando-se em conta de que a mãe da jovem sofre com problemas de esquizofrenia, e a família não teve mais notícias do pai após o nascimento da adolescente. A tia de Vitória alega que a família é muito humilde, e como costumar frequentar todos os dias à igreja, não vê motivos para acreditar que a sobrinha esteja envolvida com algo errado. A mulher também explicou que foi a tal Marcela que insistiu muitas vezes para que Vitória a acompanhasse até à praia.

Polícia descobre paradeiro das jovens

Uma semana após o suposto sequestro, a PM afirmou ter descoberto o paradeiro da adolescente e da jovem. Segundo informações, ambas foram localizadas no bairro Levilandia, em Ananindeua, na região metropolitana de Belém. Na ocasião, as jovens foram localizadas na noite de segunda-feira (7), após um telefonema anônimo informando o paradeiro das vítimas.

Ambas foram encontradas acompanhadas por um indivíduo desconhecido. A polícia segue investigando a relação das vítimas com o suspeito. Ainda de acordo com informações, as jovens não aparentavam sinal aparente de agressão, no entanto, foram encaminhadas ao IML (Instituo Médico Legal) para fazer o exame de corpo de delito.

Apesar do desfecho do ocorrido, agora o caso continuará sendo investigado pela Delegacia de Investigação de Homicídios e Desaparecidos de Belém.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Opinião
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!