O Tribunal Regional Federal da 4º Região (TRF-4) negou o pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) de deixar a prisão em Curitiba para participar da cerimônia fúnebre do seu irmão mais velho, Vavá, de 79 anos, que faleceu na tarde desta terça-feira (29), vítima de um raro tipo de câncer que ataca os vasos sanguíneos.

O velório ocorre em São Bernardo do Campo, na grande São Paulo, cidade onde a família passou a viver após os pais deixarem a cidade natal de Garanhuns, Pernambuco. O corpo de Vavá será sepultado no cemitério Paulicéia, na mesma cidade.

O ex-presidente fez uma postagem em sua página no Twitter em que os irmãos estão abraçados.

Tão logo foi informado da morte do irmão, o advogado do ex-presidente entrou com o pedido para que Lula deixasse a prisão e acompanhasse o velório e enterro do irmão, com base no artigo 120 da Lei de Execuções Penais que diz que o condenado que cumpre pena em regime fechado ou semi-aberto e os presos provisórios poderão obter permissão para sair do estabelecimento, mediante escolta, nos casos de falecimento ou doença grave do cônjuge, companheira, ascendente, descendente ou irmão.

A defesa do ex-presidente também se valeu do artigo 121 da lei, que garante ao condenado a permanência fora do estabelecimento prisional pelo tempo necessário à finalidade da saída, ou seja, o condenado tem o direito de se ausentar da prisão, enquanto durar a cerimônia post mortem.

O direito negado ao ex-presidente Lula

O pedido foi negado pela juíza da Lava Jato, Carolina Lebbos, que substituiu o juiz Sérgio Moro licenciado do cargo para assumir a pasta de ministro da justiça no governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia Lava Jato

A juíza alegou que não havia tempo hábil para o transporte de Lula.

O advogado do ex-presidente entraram com recurso no TRF-4 e o desembargador Leandro Paulsen manteve a decisão da primeira instância,

A juíza da Lava Jato e o desembargador seguiram o parecer do delegado Luciano Flores, da Polícia Federal, que afirmou que a Polícia não teria meios de efetuar o transporte do ex-presidente a tempo.

A PF informou que a viagem de Lula a São Paulo deveria ser feita de helicóptero, mas, no momento, todas as aeronaves da corporação estão prestando serviços em Brumadinho-MG.

Com o recurso negado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não participará da cerimônia de despedida do irmão mais velho, Vavá. O sepultamento está marcado para às 13 horas desta quarta-feira (30).

O advogado Cristiano Zanin Martins disse que entrou com requerimentos nas mais diversas instâncias — administrativas e judiciais — para que o direito do ex-presidente fosse reconhecido.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo