Alexa
Inscreva-se e fique por dentro de todos os assuntos envolvendo a ex-presidente Dilma Rousseff.

Dilma Rousseff

|
Canal
Inscrito 2 Inscritos
Essa é uma comunidade sobre Dilma Rousseff. Inscreva-se agora para receber as últimas atualizações e se conectar com outros membros.
Administrador: Patricia
  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    21 novembro 2017

    ADVERTÊNCIA: O GOVERNO GOLPISTA FAZ MAL À SAÚDE Além de acabar com postos públicos do Farmácia Popular, ministério ameaça extinguir o fornecimento de remédio gratuito e barato na rede privada. Depois de extinguir a rede pública do programa Farmácia Popular, já tendo fechado mais de 500 postos de fornecimento, o desastroso governo golpista avança mais um passo na revogação do acesso dos brasileiros a medicamentos gratuitos ou com até 90% de desconto nas drogarias privadas. O ministro da “Saúde” anunciou esta semana que vai cortar até pela metade os custos com as indústrias que fornecem medicamentos aos estabelecimentos conveniados sob o selo “Aqui tem farmácia popular”. Os representantes das indústrias informam que isto pode significar a extinção da única parte do programa que ainda funciona. O ministro do governo golpista diz que não faz mal, porque passará a fornecer remédios apenas nos postos do SUS. Isto significará um retorno à dolorosa via crucis a que os brasileiros eram submetidos até 2004, quando o governo Lula criou o programa Farmácia Popular, mantido e ampliado no meu governo. Significará enorme sacrifício físico e financeiro e perda de tempo para milhões de brasileiros que, para tratar suas doenças, terão de se dirigir a postos de saúde distantes de suas casas, gastando com transporte, entrar em longas filas e, muitas vezes, receber a informação de que o medicamento está em falta, o que os obrigará a voltar em outra data. Arthur Chioro, que foi ministro da Saúde no meu governo, critica a decisão anunciada pelos golpistas: -- O que observamos em relação ao Farmácia Popular é uma desmontagem do programa. O Farmácia Popular não substitui o SUS. Ele foi pensado para dar retaguarda a usuários de planos que não têm garantia de cobertura de medicamentos, que têm peso significativo sobre o orçamento das famílias. Extinguir o Farmácia Popular é colocar todo mundo em concorrência no SUS novamente. O governo que está fechando os postos públicos das Farmácias Populares agora ameaça inviabilizar o “Aqui tem farmácia popular” para economizar cerca de R$ 600 milhões, uma ninharia em se tratando de gastos com saúde pública para a população, mas um dinheiro que os golpistas certamente vão usar para fazer caixa a fim de comprar apoios políticos que mantenham o presidente usurpador livre do braço da Justiça. O programa Farmácia Popular é uma referência mundial e fez do Brasil o único país do mundo a distribuir remédio de graça para a população. Atendia os brasileiros mais vulneráveis, e também, em sua versão nas farmácias privadas, fornecia remédios a milhões de crianças, trabalhadores e aposentados de classe média, que atenuavam, com acesso a medicamentos gratuitos ou quase de graça, os altos custos que tinham com o pagamento de planos de saúde. O programa Farmácia Popular chegou a atender 30 milhões de brasileiros até o golpe de 2016, fornecendo mais de 100 medicamentos gratuitos. O “Aqui tem farmácia popular” coloca à disposição da população 42 medicamentos, 25 dos quais de graça e os demais com descontos de até 90%, em uma rede de 35 mil farmácias conveniadas. Este é mais um alto preço que os brasileiros pobres e de classe média pagam pelo golpe que derrubou um governo democrático e popular por meio de um impeachment fraudulento, confessadamente comprado à base de propinas.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    19 novembro 2017

    NOTA À IMPRENSA GOVERNO GOLPISTA VAI COMETER UMA GROSSERIA CONTRA O PAÍS A ser verdade o que está sendo noticiado hoje pelo UOL e por outros veiculos de informação, o governo golpista vai agredir o Brasil, esta semana, com mais uma demonstração de seu baixo nível político e cultural. Uma peça de propaganda eleitoral feita em nome do governo que cometeu o golpe contra a democracia e hoje faz o país retroceder de maneira devastadora foi produzida para ofender a mim e ao meu partido. Se não recuar de sua decisão, o governo golpista vai citar, em tom de deboche e com insinuação de duplo sentido, uma fala feita por mim na abertura dos Jogos Indígenas, em 2015, quando fiz referência à principal fonte de alimentação dos índios, que acabou sendo adotada por toda a população brasileira, tornando-se um símbolo de nossa culinária. O vídeo da propaganda política, que vazou à imprensa, confirma o machismo e a misoginia de um governo que deprecia as mulheres e as populações indígenas. Esta propaganda tem o caráter do governo golpista. É mal-educada, grosseira e vulgar. É machista e racista. Mostra desconhecimento sobre a cultura e a história do Brasil. Mostra ignorância sobre fato histórico: durante parte do período monárquico, a riqueza e o poder da elite brasileira eram calculados pela extensão das áreas cultivadas com mandioca pelos fazendeiros. O governo golpista não conhece história. Conhece o ódio e tem como método e traço de caráter o desrespeito, a agressão pessoal e a insensibilidade com os valores do pais. Quem rompe com a democracia e perpetra, à traição, um golpe contra um governo eleito, já perdeu a dignidade e a ética. Comprovadamente, não tem dimensão política para governar um país da importância do Brasil. DILMA ROUSSEFF

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    17 novembro 2017

    TEMER LANÇA O “MENOS MÉDICOS”: TÍPICO DE GOVERNO GOLPISTA O presidente usurpador decidiu assinar um decreto proibindo a criação de cursos de medicina no Brasil por um período de cinco anos. É exatamente o contrário do que o Brasil precisa. O governo golpista está cometendo com este decreto um atentado contra a saúde da população. O Brasil tem no máximo a metade do número de médicos de que necessita. E a esmagadora maioria dos milhares de médicos brasileiros em atividade trabalha nas capitais e nos grandes centros urbanos. Quando criamos o programa Mais Médicos, que o governo golpista esvazia pouco a pouco a cada dia, 700 municípios brasileiros não tinham nenhum médico, 1.900 municípios tinham apenas um médico e outras tantas cidades só contavam com um médico alguns dias por semana. Parte fundamental do programa Mais Médicos previa a formação de pelo menos mais 11 mil médicos até este ano, e isto se daria com a criação de cursos de medicina, privados e públicos, em municípios do interior que não recebiam atendimento adequado de profissionais de saúde. Foi o que fizemos, criando cursos em 36 cidades que até então não tinham faculdades de medicina públicas ou privadas. O Mais Médicos tratou de atacar o déficit de profissionais nas periferias das capitais e das maiores cidades brasileiras, no interior, nos departamentos de saúde indígena, nas comunidades quilombolas e nos assentamentos da reforma agrária. Colocamos 18.240 médicos em unidades básicas de saúde, por todo o Brasil. Em 2015, o programa atendia uma população de 63 milhões de brasileiros que, se não fosse por isto, não teriam acesso a médico algum. Contratamos 11 mil médicos cubanos e, por isso, somos gratos ao Governo e ao povo cubanos pela solidariedade. Contratamos também médicos de alguns outros países. Não havia número suficiente de médicos brasileiros para participar do programa e a maioria preferira ficar nas áreas onde já se concentravam. Por isso, a importância de criar novos cursos e novas vagas para estudantes de medicina, sobretudo no interior. Agora, aplicam a emenda do teto de gastos e cortam, sem dó nem piedade, os recursos para melhorar o atendimento à saúde da população, comprometendo o futuro do Brasil. Ao mesmo tempo, gastam alguns bilhões com a compra de votos para lhes garantir a impunidade e outros tantos bilhões com a propaganda enganosa sobre o seu governo. Nós fizemos o MAIS MÉDICOS, programa aprovado pela população atendida. O Governo golpista, fiel a sua vocação antipopular, coloca em prática o “Menos Médicos”.

  • Quero receber atualizações sobre Dilma Rousseff
  • Marcado
  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    15 novembro 2017

    O GOLPE EM SEU TERCEIRO ATO.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    15 novembro 2017

    Dilma Rousseff no Parlamento Europeu fala ao Eurolat sobre o impeachment de que foi alvo no Brasil e a continuidade do golpe. Assista ao vivo agora.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    14 novembro 2017

    Dilma Rousseff na Universidade Livre de Berlin debate sobre a politização da justiça no Brasil ao lado da ex ministra da Justiça da Alemanha Herta Daubler-Gmelin. Assista ao vivo.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    13 novembro 2017

    DILMA EM BERLIM: PRECISAMOS CRIAR UM CLIMA DE REENCONTRO NO BRASIL Em entrevista à Deutsche Welle, em Berlim, a presidente eleita Dilma Rousseff afirmou que é preciso distinguir os autores do golpe que a derrubou daqueles que foram às ruas contra o governo, mas não sabiam que o Brasil seria levado à situação trágica em que se encontra hoje: -- Uma hora nós vamos ter que nos reencontrar. Uma parte do Brasil se equivocou. Agora isso não significa perdão àqueles que planejaram e executaram o golpe. Você tem uma porção de pessoas que foram às ruas e que estavam completamente equivocadas. Mas você não vai chegar para elas e falar 'nós vamos te perseguir'. Precisamos criar um clima de reencontro, entende? Não vai ser um clima vingativo, não pode ser isso. Dilma disse o movimento conservador que produziu o golpe contra um governo democrático não pode se considerar absolutamente vitorioso, um ano depois do impeachment: -- Com o impeachment o PSDB acabou, sumiu. O que os conservadores conseguiram produzir? Produziram a extrema direita, o MBL e o Bolsonaro. E o que ainda é novo no Brasil? O gestor incompetente, tipo o Trump? O João Dória? Ou você deseja a política de animação de auditório como política social, que é o Luciano Huck? Isso é o novo? Sabe o que eu acho que é o novo? Esse foi um pensamento que tive depois do caso do William Waack. Você sabe o que é coisa de preto? O PT é coisa de preto. O Lula é coisa de preto. Nós somos coisa de preto. Eu sou uma coisa de preto. (Leia a íntegra da entrevista em outro post nesta página)

  • Marcado
  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    13 novembro 2017

    Em viagem a Alemanha, Dilma Rousseff analisa o contexto político brasileiro.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    12 novembro 2017

    NOTA DE SOLIDARIEDADE A GUIDO MANTEGA: Querido Guido. Acabo de ler sobre o falecimento da Eliane. Estou em Berlim e só retorno ao Brasil dia 21. Quero te enviar a minha solidariedade e o meu carinho nessa hora de imensa dor. Sei o quanto vocês se amavam e como ela e você enfrentaram com coragem essa terrível doença. Os meus sentimentos para a família e os amigos, em especial para Marco, o filho querido de vocês. Um grande, fraterno e comovido abraço. Estou com você. Dilma

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    10 novembro 2017

    ELEIÇÕES DE 2018 COM LULA Em encontro realizado em Porto Alegre, Gleise Hofmann e Dilma Rousseff reafirmam a estratégia traçada pelo PT: Lula será candidato em 2018.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    10 novembro 2017

    Ainda sobre a morte do cachorro Nego A propósito de notícias divulgadas pela imprensa sobre a abertura de investigação para apurar as circunstâncias da morte do cachorro Nego, o labrador de Dilma Rousseff, a assessoria de imprensa da presidenta eleita esclarece: 1. Nego nasceu em setembro de 2003 e morreu em setembro de 2016. Foi dado de presente por José Dirceu ainda em 2005 para Dilma Rousseff, quando ela assumiu a chefia da Casa Civil no governo Lula. Nego foi criado e amado pela presidenta e familiares durante os quase 12 anos em que conviveu com ela. Era um cão grande e forte, que gostava de nadar e correr. Era um dos prediletos de Dilma Rousseff. 2. A partir de 2015, Nego passou a apresentar displasia coxo-femural, doença típica dos labradores, além de mielopatia degenerativa. Ele tinha dificuldade de andar e, por conta da mielopatia, ficava agitado e buscava se movimentar de qualquer jeito. Por isso, sofria muito e deveria ser sacrificado, conforme orientação médica. 3. A presidenta relutou e adiou o quanto pode, com a esperança de uma recuperação da saúde do labrador. E isso, infelizmente, não veio a ocorrer. Nego foi sacrificado, para tristeza de Dilma Rousseff em setembro do ano passado. Era um cachorro excepcional, companheiro e inteligente. 4. Diante disso, é lamentável que, mais uma vez, queiram usar a relação de carinho e lealdade entre um cachorro e sua dona para reforçar a sórdida campanha acusatória que criou o ambiente para o Golpe de 2016, por meio do fraudulento impeachment sem crime de responsabilidade. 5. Essa campanha hedionda, baseada em falsidades, violência, intolerância e preconceito se perpetua mesmo agora, um ano após ter sido consumado o golpe parlamentar que retirou Dilma Rousseff do poder. 6. A perseguição chegou a ponto do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot determinar a abertura de um inquérito policial. Como se investigações mais graves não devessem ser apuradas, como a compra de votos para a aprovação do impeachment. 7. É lamentável que isso ocorra no país que virou sinônimo de Estado de Exceção. Aos olhos do mundo, vale tudo para achincalhar a imagem e a honra de Dilma Rousseff. 8. Tudo tem sido feito para satisfazer a sanha doentia de golpistas. Como mostra o deputado Ricardo Izar Júnior (PP-SP), que proferiu sórdidos ataques a Dilma, e se vangloria de ir depor contra a presidenta eleita do país numa história da qual não tem conhecimento nem sequer envolvimento direto. Apenas a busca pelos holofotes abjetos da mídia. ASSESSORIA DE IMPRENSA DILMA ROUSSEFF

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    9 novembro 2017

    Dilma participa e se soma na luta por um Brasil que o povo quer, debatendo com o PT gaúcho.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    9 novembro 2017

    CONTRA A MULHER, RECUO DE 77 ANOS Votação em comissão na Câmara quer mudar a lei de 1940 e proibir aborto em caso de estupro, o que é um imenso retrocesso. O atendimento ao aborto em caso de violência, no meu governo, era obrigatório em todos os hospitais públicos. Lutemos pelo fim da violência contra as mulheres.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    9 novembro 2017

    MAIS UMA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Votação em comissão na Câmara quer mudar a lei de 1940 e proibir aborto em caso de estupro, o que é imenso retrocesso. O atendimento ao aborto em caso de violência, no meu governo, era obrigatório em todos os hospitais públicos. Lutemos pelo fim da violência contra as mulheres.

  • Marcado
  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    8 novembro 2017

    DECRETO DE TEMER QUE ENTREGA ATIVOS DE ESTATAIS É CRIME DE LESA-PÁTRIA Não há a menor dúvida sobre o caráter entreguista da política do governo golpista em relação às riquezas do país. O presidente usurpador assinou um criminoso decreto que autoriza a venda de ativos de empresas públicas de economia mista sem necessidade de processo licitatório. Um triplo atentado. Primeiro, à soberania do Brasil. Depois, aos necessários controles sobre a atividade pública e, em especial, sobre o patrimônio do país. E, em definitivo, um atentado aos direitos dos cidadãos brasileiros e aos acionistas destas empresas, tanto os majoritários como os minoritários. Por tudo isso, um crime de lesa-pátria! O decreto 9188 permite a venda de qualquer ativo de empresas públicas de economia mista – ou seja, estatais que também tenham acionistas particulares e que ofereçam ações em Bolsas de Valores. Nesta categoria, estão empresas nacionais do porte da Petrobrás, Eletrobras e Banco do Brasil, para citar algumas da mais conhecidas. O texto usa de eufemismo, ao afirmar que está criando um “regime especial de desinvestimento de ativos das sociedades de economia mista”, com “dispensa de licitação”. Sem rodeios, isto significa vender, a qualquer preço, sem concorrência pública e sem controle prévio dos órgãos responsáveis, as riquezas, os bens e as atividades mais rentáveis das grandes empresas que pertencem ao povo brasileiro, incluindo suas subsidiárias e controladas. O decreto permite a venda destas riquezas sem critério, sem restrições, sem exigências e de maneira incondicional. Serão comprados, obviamente, os ativos mais rentáveis, e continuarão sob a responsabilidade do governo federal, e pesando no bolso dos acionistas, os ativos que não têm maior lucratividade ou valor de mercado. A criação do decreto 9188 denota a intenção de dar margem a qualquer tipo de malfeitos e atos criminosos. É surpreendente que a mídia brasileira não tenha dado até agora o devido espaço a este assunto, apesar de sua importância – negativa – para a economia e o futuro do país. É estarrecedor que o Ministério Público e os órgãos de controle não tomem medidas para impedir esse descalabro. Ao vender os bens públicos brasileiros, agora por decreto, portanto sem exame do Congresso, e sem licitação, o golpista em exercício comete uma decisão flagrantemente ilegal. Sua intenção imediata, além de avançar na submissão ao mercado, é arrecadar recursos com os quais continuará comprando os votos de que precisa no parlamento para, eventualmente, escapar da Justiça e aprovar suas antirreformas contra o povo. Denunciamos e vamos resistir a mais esta etapa do golpe.

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    7 novembro 2017

    BORDANDO A DEMOCRACIA O lindo trabalho de militância criativa do coletivo BORDADEIRAS DO LINHAS DO HORIZONTE, de Minas Gerais. Agradeço a comovente homenagem que recebi. Estamos juntas na luta pela democracia, contra o retrocesso e pela reconquista dos direitos!

  • Desconectar do Facebook
    DilmaRousseff
    4 novembro 2017

    A MISOGINIA E O MACHISMO COMO ARMAS DE INTERDIÇÃO Quando governei, nada podia parecer certo. Fui inaugurar um aeroporto, e eles encontraram um banheiro pingando. Fizeram um escarcéu. E tinha a linguagem machista: ‘a Dilma é uma mulher dura, o homem é firme; a Dilma é emocionalmente instável, o homem é sensível’. Eu era “obsessiva compulsiva com trabalho”, homem é “empreendedor e trabalhador”. Este jogo da misoginia é muito bem feito por quem o usa. E tinha ainda o rastaquerismo típico do machismo agressivo: a apelação, o baixo nível, o xingamento, a linguagem chula... Eu vi tudo, mas fiz um imenso esforço para que isso não me diminuísse, não me paralisasse e não me atemorizasse. Pediram que eu não fosse ao Senado me defender porque seria agredida. Pensavam que me atemorizam. Atemorizariam se eu os respeitasse.

More
Inscreva-se no canal
2 Inscritos
Se inscrevendo, vocë receberá todas as atualizações sobre Dilma Rousseff
Quero receber atualizações sobre Dilma Rousseff
Mostre ao mundo a sua paixão
Você também pode administrar um canal na Blasting News e ser pago por isso.
Qual o tema que te inspira?
Alcance uma audiência maior
É uma pessoa pública, meio de comunicação ou influenciador famoso?
Peça um convite para receber o seu próprio canal

Inscreva-se e fique por dentro de todos os assuntos envolvendo a ex-presidente Dilma Rousseff.

Dilma Vana Rousseff (Belo Horizonte, 14 de dezembro de 1947) é uma economista e política brasileira, filiada ao Partido dos Trabalhadores (PT) e 36ª presidente do Brasil, tendo exercido o cargo de 2011 até seu afastamento por um processo de impeachment em 2016.

Nascida numa família da classe média alta, interessou-se pelo socialismo durante a juventude, logo após o Golpe Militar de 1964, ingressou então na luta armada de esquerda: pelo que se tornou membro do Comando de Libertação Nacional (COLINA) e posteriormente da Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-Palmares) – ambas as organizações defendiam a luta armada contra o regime militar.

Passou quase três anos em reclusão, de 1970 a 1972, primeiramente pelos militares da Operação Bandeirante (OBAN), tendo sofrido torturas, e posteriormente pelo Departamento de Ordem Política e Social (DOPS).

Reconstruiu sua vida no Rio Grande do Sul, onde, junto com Carlos Araújo, seu companheiro por mais de trinta anos, foi membro fundador(a) do Partido Democrático Trabalhista (PDT) e participou de diversas campanhas eleitorais. De 1985 a 1988, durante a gestão de Alceu Collares à frente da prefeitura de Porto Alegre, foi Secretária Municipal da Fazenda. De 1991 a 1993 foi presidente da Fundação de Economia e Estatística e foi Secretária Estadual de Minas e Energia entre os períodos de 1993 a 1994 e de 1999 a 2002, durante o governo de Alceu Collares e do sucessor Olívio Dutra. Em 2001 decidiu filiar-se no Partido dos Trabalhadores (PT). Em 2002 participou da equipe que formulou o plano de governo de Luiz Inácio Lula da Silva para a área energética.

Durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, assumiu a chefia do Ministério de Minas e Energia e posteriormente da Casa Civil.

Em 2010, foi escolhida pelo PT para concorrer à eleição presidencial, cujo resultado de segundo turno, anunciado em 31 de outubro, tornou Dilma a primeira mulher a ser eleita para o mais alto cargo, o de chefe de Estado e chefe de governo em toda a história do Brasil. Em 26 de outubro de 2014 foi reeleita, novamente no segundo turno das eleições.

Em 12 de maio de 2016, foi afastada de seu cargo por até 180 dias devido à instauração de um processo de impeachment que fora movido contra ela. Teve o mandato presidencial definitivamente cassado em 31 de agosto de 2016, porém não perdeu o direito de ocupar outros cargos públicos.

Inscreva-se e fique por dentro de toda notícia que envolva Dilma Rousseff.