A mãe de um bebê de quatro meses, que morreu após ser agredida e estuprada, foi presa na noite da última terça-feira (7), em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo. O primo de seu marido, principal suspeito do #Crime, também foi levado pela polícia na manhã desta quarta-feira (8).

Publicidade

De acordo com a delegada responsável pelo caso, a mãe Aline de Souza Silva, de 19 anos, é suspeita de negligência no atendimento da filha e foi apreendida temporariamente pelo prazo de 30 dias, até que todas as circunstancias do estupro sejam apuradas.

Publicidade

A polícia suspeita que ela tenha tentado disfarçar o delito.

Segundo a responsável pela investigação do caso na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), delegada Dálice Ceron, Aline alegou que sua filha não saiu de seus cuidados, mas não conseguiu explicar como a ela foi submetida à tamanha violência.

Augusto José Alves dos Santos, de 26 anos, é primo do pai da vítima e principal suspeito de causar a morte do bebê. De acordo com o seu advogado, o jovem nega todas as acusações. A delegada afirma que ele era muito próximo à família e cuidava da criança na ausência da mãe, o que aumenta as suspeitas.

Já o pai da vítima, prestou depoimento na terça-feira e foi liberado em seguida. Ele disse à polícia que no momento do crime a criança estava aos cuidados da mãe e que por estar trabalhando, não sabe dizer o que aconteceu.

O caso

Na noite de sexta-feira (3) um bebê de quatro meses foi levado sem sinais vitais por sua mãe a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da cidade.

Publicidade

De acordo com o boletim de ocorrência, o médico chamou a polícia após perceber uma série de hematomas no corpo da criança. Ao ser ouvida pela polícia, Aline disse que sua filha havia caído há alguns dias atrás e que as mordidas percebidas pelo médico ao avaliar a vítima, foram feitas por seu filho mais velho, de apenas 2 anos.

O legista do IML de Rio Preto avaliou o corpo do bebê e constatou que ela sofreu lesões graves no fígado e foi submetida à violência sexual. Os pais da criança foram ouvidos e negaram que ela tivesse sofrido qualquer tipo de agressão. O corpo da vítima foi velado e enterrado no último domingo (5). Seus pais não quiseram gravar entrevista. #policial #Maternidade